Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XIII – O fim do Caderno Cultura



Toda notícia boa vem acompanhada de outra ruim. Estava exultante pela estréia do caderno PrOA no jornal Zero Hora deste domingo. No entanto, ao folhear a ZH de sábado, senti a falta do tradicional caderno Cultura.
O suplemento foi durante muito tempo minha fonte de literatura e filosofia, numa época em que não havia internet e o acesso a jornais do centro do país implicava desembolsar uma grana a mais, que não tinha. Comprava a Zero Hora todos os sábados na bancas da minha cidade e guardo até hoje aquelas páginas maravilhosas. O primeiro exemplar adquirido foi em 1996 e só parei no período da universidade, pois meu dinheiro era mais curto ainda. A biblioteca acadêmica, porém, supria minhas necessidades, com o acréscimo de outros cadernos, como o “Mais!”, da Folha de São Paulo.
Comecei a comprar esporadicamente a ZH até me tornar assinante na sua versão digital. E a primeira coisa que fazia na internet nas manhãs de sábado era conferir o meu amado e idolatrado Cultura. Não satisfeito, passei de leitor a também colaborador, primeiro com uma réplica a um texto do professor português Elias J. Torres Feijó, em 2012, e depois com um artigo sobre o romance A cidade, o inquisidor e os ordinários, de Carlos de Britto e Mello, em 2013.
Há alguns anos já havia terminado o "Ideias e Livros" do Jornal do Brasil, o qual também já não existe mais na versão impressa; depois, foi-se o "Sabático", do Estadão. Agora o “Cultura” nos deixou. E sem se despedir na sua derradeira edição, sem muito alarde.
Pois é, minhas manhãs de leitura no sábado já foram bem melhores. Pelo menos ainda existe o "Prosa", de O Globo, a "Ilustrada" (no sábado um pouco mais recheada de literatura), da Folha de São Paulo, o "Babelia", do El País, da Espanha, o "Adn", do La Nación, e a "Revista Ñ", do El Clarín, os dois últimos periódicos argentinos.
Acabou o Cultura, mas vai ter o PrOA, mas no domingo. O pessoal da ZH ainda valoriza a cultura e as ideias. Só lamento pelos sábados.Apesar de que dá para ler o PrOA ainda na tarde de sábado, quando a ZH dominical entra em circulação. Vamos ver se substitui o Cultura a sua altura.

P.S. às 17h: Boa estreia do PrOA. Minha única crítica continua: deveria ficar na edição de sábado, que esvaziou, enquanto a edição de domingo está carregada.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…