Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XIII – O fim do Caderno Cultura



Toda notícia boa vem acompanhada de outra ruim. Estava exultante pela estréia do caderno PrOA no jornal Zero Hora deste domingo. No entanto, ao folhear a ZH de sábado, senti a falta do tradicional caderno Cultura.
O suplemento foi durante muito tempo minha fonte de literatura e filosofia, numa época em que não havia internet e o acesso a jornais do centro do país implicava desembolsar uma grana a mais, que não tinha. Comprava a Zero Hora todos os sábados na bancas da minha cidade e guardo até hoje aquelas páginas maravilhosas. O primeiro exemplar adquirido foi em 1996 e só parei no período da universidade, pois meu dinheiro era mais curto ainda. A biblioteca acadêmica, porém, supria minhas necessidades, com o acréscimo de outros cadernos, como o “Mais!”, da Folha de São Paulo.
Comecei a comprar esporadicamente a ZH até me tornar assinante na sua versão digital. E a primeira coisa que fazia na internet nas manhãs de sábado era conferir o meu amado e idolatrado Cultura. Não satisfeito, passei de leitor a também colaborador, primeiro com uma réplica a um texto do professor português Elias J. Torres Feijó, em 2012, e depois com um artigo sobre o romance A cidade, o inquisidor e os ordinários, de Carlos de Britto e Mello, em 2013.
Há alguns anos já havia terminado o "Ideias e Livros" do Jornal do Brasil, o qual também já não existe mais na versão impressa; depois, foi-se o "Sabático", do Estadão. Agora o “Cultura” nos deixou. E sem se despedir na sua derradeira edição, sem muito alarde.
Pois é, minhas manhãs de leitura no sábado já foram bem melhores. Pelo menos ainda existe o "Prosa", de O Globo, a "Ilustrada" (no sábado um pouco mais recheada de literatura), da Folha de São Paulo, o "Babelia", do El País, da Espanha, o "Adn", do La Nación, e a "Revista Ñ", do El Clarín, os dois últimos periódicos argentinos.
Acabou o Cultura, mas vai ter o PrOA, mas no domingo. O pessoal da ZH ainda valoriza a cultura e as ideias. Só lamento pelos sábados.Apesar de que dá para ler o PrOA ainda na tarde de sábado, quando a ZH dominical entra em circulação. Vamos ver se substitui o Cultura a sua altura.

P.S. às 17h: Boa estreia do PrOA. Minha única crítica continua: deveria ficar na edição de sábado, que esvaziou, enquanto a edição de domingo está carregada.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …