Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XIV – O destino de uma crônica



Trabalhando com alunos de literatura sobre o texto “O jornal e suas metamorfoses”, do livro Histórias de cronópios e de famas, de Julio Cortázar, me lembrei de um episódio que me marcou no início da minha colaboração como escritor nos periódicos da minha cidade.
Corria o ano de mil novecentos e antigamente. Eu trabalhava com meu pai na marcenaria dele. Era o responsável pela pintura dos móveis, além de ajudá-lo na montagem. Também nessa época, ainda estudante do ensino médio, comecei a escrever minhas primeiras crônicas, tentando, ingenuamente, trilhar o caminho de Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Rubem Braga e Carlos Drummond de Andrade, quarteto protagonista das primeiras edições da coleção “Para gostar de ler”, da editora Ática. Queria ser um cronista profissional como eles, ou seja, ganhar uns “pila” com meus textos e ver meu nome estampado com letra impressa.
O primeiro jornal que me acolheu foi o Riovale, pelas mãos do editor Roni Ferreira Nunes, também escritor, autor do belíssimo O buscador (que tem ecos de Cortázar) e hoje advogado. Mais tarde, o jornal Gazeta do Sul também me abriu as portas, graças à paixão pela literatura do editor de cultura e poeta Mauro Ulrich. Desde esse momento, nunca deixei de colaborar com a Gazeta, sendo que hoje tenho até uma coluna. (Mas não, não me tornei profissional como desejava ingenuamente ser.)
Um dia, montando móveis de cozinha em uma casa em reforma, vi no chão a página com minha crônica, servindo de forro para não sujar o piso. Gotas de tinta sujavam as palavras que escrevi. Pés pisavam sem dó a ilustração, desfigurando o rosto da personagem Pascoalina. Juntei o jornal, amassei-o e o joguei no lixo. Pelo menos não veria mais o meu texto sendo maltratado.
Lembrei-me então do texto do Antonio Candido que falava do destino da crônica publicada no jornal, que serviria como embrulho do peixe na feira. Ou então “embrulhar um molho de acelga”, de acordo com o texto do Cortázar, que se refere ao jornal como um todo. Um dia, quem sabe, minhas crônicas possam ser publicadas em livros, assim como o foram as obras do quarteto acima citado.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …