Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XX – O silêncio



Já fui um indivíduo que fazia muito barulho. Para mim, música deveria ser sempre ouvida no volume máximo, por exemplo. Andava às vezes com meu “boombox” de pobre (leia-se “microsystem” do Paraguai) pelas ruas da cidade ouvindo rap daqueles com o bumbo bem pesado, como os do Run DMC ou LL Cool J. Também gostava de lugares barulhentos, como boates ou ensaios de escolas de samba.
O tempo foi passando, fui amadurecendo e comecei a prezar o silêncio. Silêncio para criar (escrever, compor), silêncio para ler, silêncio para ouvir música (em volume baixo), silêncio para ouvir meus próprios pensamentos. Em contrapartida, o mundo começou a ficar mais barulhento: carros, máquinas, música, risadas, TV ligada, fogos de artifício, cachorros, crentes em suas igrejas, escolas de samba, bailes e humanos em geral fazem questão de mostrar para todo mundo até aonde vai sua capacidade de fazer barulho.
O mundo ficou mais barulhento ou eu fiquei mais intolerante?
Contraditório que sou desde o nascimento, fui escolher um profissão em cujo ambiente o silêncio deixou de imperar há algum tempo. Ser professor é aguentar não aguentando conversas, gritos, berros de alunos, tanto na sala de aula quanto no pátio. Aliás, para muitas pessoas gritar é sinal de que a criança está se divertindo, aproveitando sua época. Não são somente os alunos, mas também os professores. Rubem Alves uma vez chamou de “bosques das professoras cacarejantes” um grupo sempre presente em suas palestras que fala alto, grita.
“O silêncio foi a primeira coisa que existiu”, cantou Arnaldo Antunes. Silêncio, diga-se, que ninguém ouviu. Qual teria sido o primeiro barulho, me pergunto. Um trovão, os raios, os pingos da chuva, um fruta caindo do pé, as vozes dos animais, a voz de um ser autodenominado superior quebrou o silêncio? Seria o Deus bíblico o primeiro filha da puta que incomodou os outros perturbando a paz?
Uma coisa é certa: o barulho do homem é sempre insuportável, ou melhor, o barulho que o outro faz, não o que eu faço.
E vamos ouvir agora o 4’33’’ do John Cage.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…