Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XVII – Teu passado te condena


Mal sabem meus três leitores que eu fiz algo que toda a humanidade deveria me agradecer até os últimos dias. Vocês não imaginam o desastre do qual se livraram graças ao chá de Semancol tomado todos os dias por este escriba. Claro, às vezes não faz efeito e cometo algumas bobagens por aqui e na vida. But, pero, porém, nada se compara com o que poderia acontecer.
Reparem na letra: “Sempre quero cantar, vou alegrar essa multidão./ Eu quero cantar na televisão,/ Fazendo sucesso ou não.” E o refrão! “Mas será que vou fazer sucesso, será?/ Será que vou aguentar o palco será?” De novo, mãozinha pra cima! “Mas será que vou fazer sucesso, será?/ Mas será que vou aguentar o palco, será?”
Essa música, se podemos chamá-la assim, foi composta quando tinha uns 9, 10 anos, durante um período curto da minha vida em que queria brilhar nos palcos como cantor. Violão em punho ou microfone na mão, a meta era ser, talvez, um novo Lulu Santos. No seu devido tempo descobri ser a música algo distante das minhas capacidades artísticas. Aprendi alguns acordes no violão, mas não fui adiante, e minha voz, reconheço, não é das melhores. E as letras? Que tal essa? “Quanto tempo faz, quantos anos faz, que nos conhecemos./ Você disse seu nome e eu disse o meu/ E no fim acabamos por namorar.”  
Um pouco depois comecei a ouvir música house, tecno. Aí as letras de amor deram lugar para algo festivo como “Dançando a noite toda a gente vai se encontrar/ no balanço desta noite tudo vai mudar.” Aproveitando algumas aulas de inglês, parti para a carreira internacional. Com um ritmo bate-estaca, influência de Kon Kan e outras bandas da virada dos anos 80 para os 90, compus essa pérola desconhecida até agora do grande público:
“Mom! I’m hungry (4x)
Apple, banana, melon, plum
cherry, watermelon, fig
pineapple, lemon, orange
papaya, peach, are goods!
Mom! I’m hungry (4x)

Mais adiante resolvi fazer Rap, assumi um pseudônimo, Derek C., e bolei algumas letrinhas fajutas, inclusive com tom erótico como “Tire essa calcinha, mostre a abertura da aurora/ Deite-se, que vou pegar você agora”. Bah, teu passado te condena, hein? Ainda bem que não havia Youtube na época.
 Isso tudo antes dos 13 anos. Fiz ou não fiz bem em tomar o precioso chá de Semancol? Ainda bem que crescemos e amadurecemos. Depois disso, já com a literatura tomando conta da minha vida, melhorei minha escrita e compus letras de Rap mais elaboradas, intelectuais demais até para o que se fazia no Hip Hop. Mas aí é tema para outra crônica.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …