Avançar para o conteúdo principal

No Traçando livros de hoje, Yukio Mishima






A máscara ou a vida? 
 
Sempre que se escreve algo sobre o escritor japonês Yukio Mishima, nascido em 1925, a primeira coisa dita é que ele, em 1970, no quartel das Forças Armadas de Tóquio, suicidou-se junto com seus seguidores praticando o seppuku, conhecido por nós ocidentais como harakiri. Trata-se de um ritual de guerreiros samurais que consiste em cortar o próprio ventre com um sabre, demonstrando assim sua coragem, determinação e honradez. Por fim, o suicida é decapitado por outra pessoa. Serviu, no caso de Mishima, como forma de protesto por não ser ouvido na reivindicação da volta aos valores imperiais japoneses.
Em um dos seus contos, “Patriotismo”, escrito nos anos 50 e publicado em Morte em pleno verão (editado no Brasil pela Rocco, já fora de catálogo, mas encontrável em sebos), Mishima descreve o seppuku de um tenente da força imperial japonesa cujos amigos participam de um golpe. Ele deveria atacá-los, mas se vê impedido de fazê-lo. Para salvar sua honra, decide praticar o ritual junto com sua esposa, fiel a ele. Fazem sexo pela última vez e depois os dois tiram a suas próprias vidas, ela o ajudando e após passando o punhal no seu próprio pescoço. Os detalhes são descritos de uma forma impressionante, deixando o leitor sem fôlego, o que me fez colocar o conto na minha lista dos 10 maiores relatos da história da literatura. Em 1966, quatro anos antes de sua morte, o próprio escritor adaptou a história para um curta-metragem mudo em que também atua. Só recentemente o filme veio a público e está disponível na internet
Reli há pouco seu primeiro romance de sucesso, Confissões de uma máscara (Companhia das Letras, tradução de Jaqueline Nabeta, 200 páginas), publicado em 1949. Considerado autobiográfico, traz as memórias de Koo-chan, desde sua infância até os vinte e poucos anos. Na adolescência, percebe os primeiros sinais de sua homossexualidade e também tem fantasias sadomasoquistas. Precisa, no entanto, se comportar como um menino. “A relutante máscara começara a nascer.” Seu primeiro amor platônico é o jovem Omi, mas antes se sente excitado pela reprodução de uma pintura retratando São Sebastião nu, amarrado a uma árvore e com flechas cravadas no seu corpo. “Minhas mãos, completamente sem consciência, iniciaram um movimento que nunca tinham sido ensinadas a fazer. Senti alguma coisa secreta, radiante, subindo dentro de mim, velozmente, rumo ao ataque. Subitamente jorrou, trazendo consigo uma embriaguez ofuscante.”
Começa a namorar uma jovem, Sonoko, mas não sente nada por ela. É apenas mais uma tentativa de mascarar a realidade que ele ainda não compreende, assim como não compreende a Segunda Grande Guerra em que seu país está envolvido, até porque a guerra dentro dele é mais intensa.
Koo-chan também pensa no suicídio, assim como o escritor que o criou, mas “em vez disso esperaria por alguma coisa que me fizesse o favor de me matar”. Por isso queria servir ao exército e morrer em combate, mas não foi selecionado devido à saúde, o que aconteceu também com o próprio Mishima, prova de que a obra é realmente autobiográfica.
Parafraseando uma crônica de Drummond, o romance nos questiona: a máscara ou a vida? Continuamos a usar máscaras para sermos aceitos perante os outros ou devemos viver a nossa vida como achamos que ela deve ser vivida? Quantas máscaras você tem no seu armário, caro leitor?
Cassionei Niches Petry é professor, mestre em Letras e escritor. Publicou Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco) e recentemente, em e-book, seu primeiro romance, Os óculos de Paula (edição Kindle/Amazon). Escreve regularmente para o Mix e mantém um blog, cassionei.blogspot.com.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …