Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XV – Simplificando Machado



Confesso que fui um leitor de adaptações literárias durante muito tempo na minha infância, porém, de literatura estrangeira. Meu contato com as “Viagens de Gulliver”, de Jonathan Swift, por exemplo, foi com uma edição adaptada. Quando conheci a tradução normal, me senti roubado porque a anterior trazia somente as duas primeiras aventuras do Gulliver. Adaptar também era cortar.
Até entendo que adaptem narrativas fora da nossa língua, mas não dentro dela. Sempre aprendi que para ampliar o vocabulário preciso ler bastante. Entretanto, se os livros lidos tiverem sempre os mesmos vocábulos utilizados no meu dia a dia, meu conhecimento permanecerá limitado.
O que tenta fazer a escritora que está “simplificando” a obra de Machado de Assis para atingir um público, segundo ela, de gente mais humilde, é afirmar que essas pessoas não têm capacidade para entender o grande escritor, não seriam capazes de consultar um dicionário, não podem ou não têm condições de ampliar o seu vocabulário. Se pensa que está prestando um grande serviço, se engana. Se essas pessoas não conhecem nosso maior escritor não é pela linguagem, que nem é tão complicada, mas sim porque elas têm outros interesses que não à leitura. Não leem Machado, como também não leem nem mesmo Paulo Coelho, cuja escrita é fácil.
Se é para incentivá-las a se tornarem leitores, mostra-se a elas os escritores contemporâneos. Se gostarem, fatalmente lerão mais e, na hora certa, chegarão a Machado e outros clássicos. Simplificar a linguagem em favor da história apenas é esquecer que a literatura é o trabalho com a palavra e a alta literatura é um trabalho com a palavra de forma mais elaborada ainda. O escritor não escolhe determinado vocábulo por acaso, não constrói a frase de forma sinuosa só para mostrar suas habilidades sintáticas. Sabe-se lá se a palavra que a escritora escolheu para “simplificar” determinada frase não foi a mesma que o Machado substituiu por outra em busca de mais precisão no que queria expressar!
A escritora, pasmem, já publicou mais de 200 livros infantojuvenis, segundo reportagem do Estadão de hoje.  Como consegue escrever e publicar tanto? Não posso avaliar a qualidade de seus livros, mas posso garantir que para escrever tantos ela deve ler muito pouco, por isso não sabe que existem outros tipos de literatura que podem ser oferecidos sem precisar empobrecer a do Machado de Assis.
O caso lembra um conto do próprio Machado. “Um homem célebre” conta a história de Pestana, compositor que gostaria de ser reconhecido por suas composições eruditas. As pessoas, porém, teimavam em valorizar as polcas de sua autoria. A obra realizada com mais apuro era preterida pela mais popular, feita de forma apressada e de consumo rápido. O protagonista cedeu às pressões e compôs polcas para o gosto do povo. Morreu triste, “bem com os homens e mal consigo mesmo.”

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …