Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XIX – Ó, professor assassino de leitores!



 Volta e meia me deparo com algum texto, principalmente no cipoal imenso que é a internet, atribuindo à escola como a responsável pelo jovem gostar ou não de literatura. Geralmente cai na conta do professor essa culpa. Por quê?
Ora, ele obriga a leitura de livros (ó, criminoso!), mostra autores clássicos cuja linguagem está distante do aluno (ó, onde já se viu ler coisas com palavras desconhecidas?!), tem a audácia de ensinar escolas literárias de épocas distantes (ó, dinossauro!), diz que um escritor do século XIX é melhor escritor do que John Green (que pedantismo!), pede avaliação do conteúdo proposto (ó, mas a literatura não é liberdade?), faz o aluno analisar textos literários em vez de apenas os ler sem compromisso e adquirir, assim, o gosto pela leitura (ó, professor chato!).
Já chamei a mim mesmo de assassino de leitores várias vezes, mas com justificativas para o ser. A questão básica para mim é que um leitor será leitor independentemente do seu professor. Se ele não gosta de literatura, não vai gostar só porque o professor solicitou uma leitura mais palatável, atraente, jovem, contemporânea. Bem pelo contrário. Se o professor pediu, na cabeça do jovem, é porque isso não é bom. Vou dar um exemplo pessoal.
Havia um aluno na 7ª série que adorava ler literatura de fantasia, aventura, tipo “Senhor dos anéis”. Dizia para ele que continuasse lendo e sugeri outro livro que seguia a mesma linha e ainda não havia sido traduzido no Brasil, mas do qual eu tinha tomado conhecimento pela tradução espanhola. Não se interessou nenhum pouco pela minha sugestão. Reencontro-o três anos depois e qual não foi minha surpresa ao vê-lo lendo o livro. Questionei se ele se lembrara da minha dica e respondeu que não, claro. A obra em questão era a série “Crônicas de gelo e fogo”, de George R. R. Martim, febre entre os jovens e nem tão jovens leitores, principalmente depois da adaptação para uma série de TV.
A função da escola, salvo nas séries inicias, não é criar o gosto pela leitura, mas sim instruir os alunos para se tornarem bons leitores de qualquer tipo de texto, não apenas daqueles que os agrade. Se é para trazer para a sala de aula apenas autores de interesse da gurizada, qual o sentido da escola e da aula de literatura? Na escola deve-se aprender o diferente, aquilo que talvez o aluno jamais conhecesse fora da sala de aula, deve aprender o que a humanidade já criou no âmbito da cultura, mesmo se isso não for do interesse do jovem. Se a escola abdicar disso, como propõe os “entendidos” em educação, ela deixa de ter sentido e deve ser fechada. Se é isso que desejam...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…