Diário crônico XIX – Ó, professor assassino de leitores!



 Volta e meia me deparo com algum texto, principalmente no cipoal imenso que é a internet, atribuindo à escola como a responsável pelo jovem gostar ou não de literatura. Geralmente cai na conta do professor essa culpa. Por quê?
Ora, ele obriga a leitura de livros (ó, criminoso!), mostra autores clássicos cuja linguagem está distante do aluno (ó, onde já se viu ler coisas com palavras desconhecidas?!), tem a audácia de ensinar escolas literárias de épocas distantes (ó, dinossauro!), diz que um escritor do século XIX é melhor escritor do que John Green (que pedantismo!), pede avaliação do conteúdo proposto (ó, mas a literatura não é liberdade?), faz o aluno analisar textos literários em vez de apenas os ler sem compromisso e adquirir, assim, o gosto pela leitura (ó, professor chato!).
Já chamei a mim mesmo de assassino de leitores várias vezes, mas com justificativas para o ser. A questão básica para mim é que um leitor será leitor independentemente do seu professor. Se ele não gosta de literatura, não vai gostar só porque o professor solicitou uma leitura mais palatável, atraente, jovem, contemporânea. Bem pelo contrário. Se o professor pediu, na cabeça do jovem, é porque isso não é bom. Vou dar um exemplo pessoal.
Havia um aluno na 7ª série que adorava ler literatura de fantasia, aventura, tipo “Senhor dos anéis”. Dizia para ele que continuasse lendo e sugeri outro livro que seguia a mesma linha e ainda não havia sido traduzido no Brasil, mas do qual eu tinha tomado conhecimento pela tradução espanhola. Não se interessou nenhum pouco pela minha sugestão. Reencontro-o três anos depois e qual não foi minha surpresa ao vê-lo lendo o livro. Questionei se ele se lembrara da minha dica e respondeu que não, claro. A obra em questão era a série “Crônicas de gelo e fogo”, de George R. R. Martim, febre entre os jovens e nem tão jovens leitores, principalmente depois da adaptação para uma série de TV.
A função da escola, salvo nas séries inicias, não é criar o gosto pela leitura, mas sim instruir os alunos para se tornarem bons leitores de qualquer tipo de texto, não apenas daqueles que os agrade. Se é para trazer para a sala de aula apenas autores de interesse da gurizada, qual o sentido da escola e da aula de literatura? Na escola deve-se aprender o diferente, aquilo que talvez o aluno jamais conhecesse fora da sala de aula, deve aprender o que a humanidade já criou no âmbito da cultura, mesmo se isso não for do interesse do jovem. Se a escola abdicar disso, como propõe os “entendidos” em educação, ela deixa de ter sentido e deve ser fechada. Se é isso que desejam...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Uma resenha que não aconteceu