Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XII – SEXta



Camisa de vênus, monte de vênus, doença venérea, afrodisíaco. Palavras como estas, relacionadas ao sexo, se originaram do nome de uma divindade: Vênus para os romanos, Afrodite, para os gregos, deusa da beleza, do amor e da sexualidade.
Como hoje é sexta-feira, lembro a vocês que o sexto dia da semana recebe a denominação “viernes”, em espanhol, e “venerdi”, em italiano, porque é o dia dedicado à deusa. Em inglês, sexta-feira é “friday”, o dia de Frigga, deusa nórdica, esposa de Odin e mãe de Thor, ela também uma divindade relacionada ao amor e à fertilidade. “Freytag”, em alemão, é em homenagem a outra deusa nórdica Freya, divindade da luxúria.
Por coincidência ou não, sexta contém a palavra “sex”. Podemos dizer, portantpo, que este é o dia dedicado ao sexo, ao amor, às paixões, momento de apreciar os prazeres da carne?
No início de minha adolescência, há mais de 20 anos, havia um programa na TV Bandeirantes justamente chamado “Sexta Sexy”. Passava durante a madrugada e rodava filmes no estilo erótico soft, em que não aparecia penetração, as cenas eram de sexo simulado, ou seja, nada de pornografia, até porque era TV aberta. A Vênus desses filmes geralmente era Emmanuelle, personagem que surgiu no final dos anos 60 e foi interpretada nos anos 70 pela atriz holandesa Sylvia Cristal, que morreu em 2012. Nos anos 80 e 90, foi vivida por diferentes atrizes. Em 1995, o programa passou a ser transmitido aos sábados e mudou o nome para Cine Privé. Atualmente não é mais transmitido.
Um programa como esse não teria o mesmo sucesso hoje em dia. As novelas e os filmes que passam até no horário nobre têm algumas cenas que não perderiam para nenhuma das produções rodadas na “Sexta Sexy”. Além disso, a pornografia rola livre na internet, lugar onde os adolescentes vivem a maior parte de seu tempo. Não há limites para acesso, salvo se os pais instalarem softwares de segurança, apesar de que os jovens aprendem facilmente a burlá-los.
Quando tudo é tão explícito e livre, perde-se a graça do mistério, do proibido. Perde-se o encanto da descoberta.  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…