Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XXIV – Aceita um café, caro leitor?




Ontem foi o Dia do Café, dia nacional, pois daqui a algumas semanas teremos o dia internacional, depois o universal... Essa mania de dia para tudo se popularizou com as redes sociais, tornando-se um motivo para postar coisas e fazer a roda girar. Às vezes é um saco, outras vezes até eu entro na brincadeira.
Mas voltemos ao café. Enquanto escrevo estas mal traçadas linhas, de acordo com o ritual descrito na crônica anterior, já tomei minha primeira xícara de café e estou partindo para a segunda. Na revisão do texto, já estarei com certeza na terceira. Não começo o meu dia sem o café, assim como não durmo sem ele. Verdade, se não tomo café aí é que tenho dificuldade para dormir, diferentemente das demais pessoas. Sou anormal?
Não considero, no entanto, que tenho um vício (já viu algum viciado dizer que é viciado?), porque não entro em desespero se faltar. Porém sinto a todo o momento uma necessidade enorme degustar o líquido negro mais valioso do mundo (o petróleo fica em segundo lugar) todos os dias, todas as horas, em todo o lugar.
Não sou, no entanto, um expert em café. Não tenho a mania de escolher os melhores grãos, a melhor marca. Não me importo em tomá-lo requentado, tão pouco arranco os cabelos ou enforco o meu colega de trabalho se o café estiver fraco ou forte demais. Aqui em casa, cai bem um Caboclo, um Melitta, um Três Corações, um Pilão, um Bom Jesus ou outra marca qualquer, ou melhor, nem todas, pois há alguns pós de café horríveis. Nunca tomei um Haiti, mas gostava quando os debatedores do programa “Sala de Redação” da Rádio Gaúcha cantavam o jingle “Haiti, Haiti, Haiti, tá fazendo na cozinha, tá cheirando aqui”. E também não desprezo, de vez em quando, um café solúvel, de preferência bem batido.
Odeio “cafezinho”, xícara pequena ou copinho de plástico minúsculo. Sou adepto do cafezão, xícaras grandes ou canecas. E doce. Não gosto de café sem açúcar, o que prova que não sou especialista no assunto.
O café, acima de tudo, é companhia perfeita para a leitura e escrita. Café e livros combinam muito bem, tanto que há muitas livrarias que são também cafeterias. Os dois se dão tão bem que é comum o café se derramar sobre as páginas de um livro, na tentativa desesperada de se perpetuar entre as letras. Um livro com manchas de café é um livro que tem vida, que foi lido, não simplesmente comprado para ficar parado na estante. Sem contar que ele fica com o cheiro da café entranhado por um bom tempo, conduzindo o leitor a lê-lo novamente.
Por falar em cheiro, estou sendo atraído pelo cheiro de café lá da cozinha, por isso paro por aqui. Aceita um, caro leitor?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …