Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XXIII – Lembranças de um estudante



Abro a página do word e deixo a folha em branco a minha frente. O programa “Pianíssimo”, na rádio Cultura Fm de São Paulo, toca Ernest Chausson e o seu “Quarteto com piano opus 30”. Aciono o “qwertick”, programinha do computador que simula o som de uma máquina de escrever quando digito as teclas do meu computador. Somente assim consigo criar uma crônica. Preciso do som de música clássica e do matacrear de uma máquina de escrever.
A página em branco materializa na minha frente uma imagem da noite anterior em que, pela primeira vez depois de mais de 20 anos, entro na sala em que tive meus primeiros dois anos de estudante. Sou, agora, professor, nesse momento ministrando aula de Língua Portuguesa instrumental para uma turma do curso Técnico em Hospedagem. Pois meu coração hospeda a nostalgia. Vejo em uma das classes aquela criança de sete anos que entrou na escola já sabendo ler e que por isso surpreendeu a professora Maria Geci ao decifrar as palavras contidas em uma gravura sobre o Dia dos Pais. A sala não mudou muito depois desses anos todos, tendo inclusive ainda o armário velho onde eram guardados nossos trabalhinhos. Mudaram as classes e a lousa, antes verde, agora branca.
Por saber ler e ter facilidade para aprender, terminava as atividades antes dos colegas e ficava incomodando os demais ao cantar uma musiquinha irritante que dizia “tirminei, tirminei, tirminei, eu tirminei, eu tirminei, eu tirminei”. A professora, então, me conduzia à pequena biblioteca escolar, onde tive contato com o mundo mágico da literatura.
Se foi nessa mesma sala que mostrei ao mundo minhas qualidades, foi também nela que minha incapacidade para desenhar se tornou notória. Para cada letra do alfabeto estudada, um aluno se responsabilizava em desenhar algo que começasse com tal letra, desenho que seria exposto sobre o quadro verde. Quando foi a vez da letra G, tomei coragem e me ofereci para ser o artista. Em casa, desenhei cuidadosamente um galo. Ao mostrar minha obra à professora, ela fez uma cara estranha e disse que até não estava tão mal o desenho, porém, o galo deveria ter duas patas e não quatro!
As semanas passaram e chegou a vez da letra O. Tentando me redimir do erro, pensei “agora vou caprichar no desenho de um ovo”. A professora ficou na expectativa de que desenhasse um lindo ovo de Páscoa, bem colorido. Pois o artista aqui fez um pequeno círculo a lápis na folha branca e outro círculo no meio, pintando-o depois de amarelo, e pronto! Estava desenhado um maravilhoso ovo frito!
Hoje, nas minhas aulas, mostro de vez em quando meus dotes de desenhista para ilustrar algum conteúdo, sendo que meu desenho preferido é o das personagens Palito e Palita. Como ilustração dessa crônica, uma das minhas obras-primas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …